PS vai dar continuidade ao trabalho em parceria com o poder local para melhorar a vida dos Açorianos

“O Partido Socialista irá continuar a trabalhar pelo reconhecimento e valorização do Poder local e por defender os interesses das nossas freguesias junto da Assembleia da República, pugnando sempre para que as especificidades que a nossa Região tem, não apenas pela dispersão geográfica, mas também pelas assimetrias, sejam sempre consideradas”, afirmou a candidata do PS/Açores às Eleições Legislativas nacionais de 6 de outubro.

Isabel Almeida Rodrigues, que falava à margem da reunião com a delegação dos Açores da Associação Nacional de Freguesias – ANAFRE, em Ponta Delgada, considerou “fundamental realçar o papel que os autarcas de freguesia desenvolvem no âmbito da proximidade às populações e da resolução de problemas que podem parecer de pequena dimensão, mas que são muito importantes para o dia a dia das nossas comunidades”.

No balanço que fez do trabalho realizado pelo Governo do Partido Socialista, a candidata recordou “que os Municípios dos Açores passaram também a ter acesso a uma renda para a distribuição de eletricidade em baixa tensão, tal como acontecia em território continental; as transferências de verbas para as autarquias aumentaram 1,3% e foram eliminadas as restrições à contratação de efetivos necessários para as autarquias”.

Ainda durante o encontro, Isabel Almeida Rodrigues saudou todos quanto contribuem para o serviço público nas Juntas e nas Assembleias da Freguesia, “dedicando muito do seu tempo e da sua vida pessoal, com remunerações irrisórias e que não são muitas vezes ajustadas ao trabalho e à dedicação que tem”.

Isabel Almeida Rodrigues comprometeu-se a ser uma porta-voz das Freguesias dos Açores na Assembleia da República: “O enquadramento legal dos órgãos de poder local nas Freguesias é uma competência nacional, da Assembleia da República e, por isso, comprometo-me a desenvolver todas as diligências e acompanhamento necessários nessas questões, bem como no âmbito do possível aprofundamento de descentralização de competências que venha a ocorrer, sendo sempre fundamental salvaguardar as especificidades das nossas Freguesias, bem como o importante serviço público que estes órgãos de poder local asseguram”.