PS/A quer “continuar o processo de afirmação dos lacticínios dos Açores e defender preço justo à produção”

João Castro destacou “a importância de se continuar o processo de afirmação dos lacticínios dos Açores, visando também melhorar o preço do leite pago à produção, num processo de recuperação da designada crise do leite que se verificou sobretudo nos anos de 2015 e 2016”.

O candidato do PS/Açores às Eleições Legislativas nacionais do próximo dia 06 de outubro, falava na sequência da visita à Cooperativa Agrícola de Lacticínios da Ilha do Faial (CALF), onde reforçou o compromisso dos deputados eleitos pelos Açores à Assembleia à República, que em contato com a realidade, com a agricultura e com o setor pecuário, querem dar continuidade à concertação entre as políticas nacionais e regionais.

“Embora se assista a uma recuperação ainda podemos melhorar”, sublinhou o candidato do Partido Socialista, referindo-se ao ” Programa Específico para o Setor Leiteiro e Produtos Lácteos que se estrutura em sete eixos de atuação, como: o reforço do diálogo institucional; a regulação da oferta interna; as linhas de crédito; as contribuições obrigatórias e a atividade profissional; as ajudas diretas e o reforço do consumo e valorização da produção nacional”.

João Castro, que na última legislatura foi relator do Grupo de Trabalho do Setor Leiteiro na Assembleia da República, sublinhou “a importância para os Açores da defesa e modernização do sector do Leite, tendo em conta que a Região Autónoma dos Açores é responsável por cerca de 30% dos 1.800 milhões de litros de produção nacional”.

João Castro recorda que “a crise que afetou o setor, sobretudo por fatores externos ao País, não justificou a inação do anterior governo do PPD/CDS, que praticamente se limitou a fingir de ‘morto’ à espera que as coisas se resolvessem por si e, mais grave ainda, deixando os Açores fora dos processos de decisão – o que foi inqualificável!”.

“A partir de 2015, com o governo do PS, este percurso foi invertido. O Governo dos Açores, para além das políticas regionais da sua competência, passou a acompanhar o Ministério da Agricultura nos ‘espaços’ de decisão Europeus, participando ativamente na defesa do setor e na definição de medidas, o Estatuto do Agricultura Familiar, a nova Diretiva no Combate a Praticas Desleais ou mesmo na abertura de, cerca de 46, novos mercados, e 164 produtos”, realçou.

João Castro destacou ainda “o papel da CALF, na transformação de produtos lácteos, integrando o sistema regional, com produtos de reconhecida excelência, provenientes de leite de vaca com origem nos Açores e na sua relação com a natureza”.