“O Centro para a Defesa do Atlântico é uma mais-valia para os Açores”, diz Lara Martinho

“Houve uma mudança muito significativa, com este governo do Partido Socialista, no que diz respeito a medidas e a iniciativas a serem desenvolvidas na ilha Terceira”, disse Lara Martinho após a visita efetuada esta quinta-feira às futuras instalações do Centro para a Defesa do Atlântico, na Base Aérea Nº4.

Para a candidata do PS/Açores às eleições legislativas de 06 de outubro, “o Centro para a Defesa do Atlântico pretende ser um centro de excelência, um centro internacional para a capacitação da defesa e segurança do Atlântico, em cooperação com um conjunto de outras entidades a nível internacional, como a ONU, a NATO, a União Europeia, a União Africana.”

Lara Martinho explica que “o objetivo é o CeDA focar-se no Golfo da Guiné e da África Ocidental, estando, contudo, vocacionado para trabalhar todas as temáticas relevantes para a segurança do Atlântico, de Norte a Sul, de Este a Oeste, onde a capacitação no domínio da defesa possa contribuir positivamente. O objetivo é poder fazer face um conjunto de ameaças que cada vez são mais transnacionais e não convencionais e que passam pelo tráfico de estupefacientes, de seres humanos e de armas, pela pirataria e assalto à mão armada contra navios, pela poluição, pelos ataques cibernéticos e, mesmo, pela própria pesca ilegal, não regulamentada e não declarada.”

Relativamente à entrada em funcionamento do Centro para a Defesa do Atlântico, a atual deputada à Assembleia Legislativa recorda que “em 2018 foi definida e criada uma comissão para a implementação do CeDA, que concluiu os seus trabalhos, tendo o Sr. Ministro da Defesa, no passado mês de agosto, criado um grupo de trabalho para a instalação jurídica e física do centro.”

“O objetivo é que em 2020 já se iniciem as obras para que o arranque pleno seja no final de 2020-21”, avançou Lara Martinho, lembrando que “haverá um seminário internacional em novembro deste ano, no Instituto de Defesa Nacional, para apresentar o Centro para a Defesa do Atlântico.”

Segundo a candidata do PS/Açores, prevê-se que “no primeiro semestre de 2020 possa existir a primeira formação de peritos certificados e reconhecidos internacionalmente.”